Home » Ramiro Vidal Alvarinho

Ramiro Vidal Alvarinho

Ramiro Vidal Alvarinho nasceu em Ferrol a 12 de Março de 1973. É trabalhador em precário e activista cultural. Fai parte da Direcçom Nacional de NÓS-Unidade Popular desde a sua fundaçom. Participou em ediçons colectivas de poesia e narrativa e quanto a artigos de temática política e social, tem colaboraçons no Abrente e em kaosenlared.net.

Artigos da sua autoria

→  O fanatismo diante do espelho

→ O imprescindível diálogo com Carvalho Calero

→ Cada caso de corrupçom é umha prova de putrefaçom do regime

→ Baile de máscaras em Johanesburgo

→ A Espanha surda e cega perante a Catalunya rebelde

O nosso problema chama-se Espanha, e a nossa soluçom Independência 

 Joseph Ignatius Primus, “O Incompreendido”

→ Carta a Maria Araújo, desde 2013

Um punho alçado pola liberdade dos povos

Memória e exemplo de José Ramom Reboiras Noia

→ O papel velho pom-se a cantar

→ Condenarmos o terror

→ Num grandioso comício revolucionário, é proclamado o Estado galego

→ De Carral a Grândola com destino à revoluçom

→ A força de umha imagem e a dupla moral

→ Abonda já de saque financeiro!

→ As sesualidades humanas e a sobrevivência da espécie

→ Elogio do demo

Imaginade que…

→ As asneiras do espanholismo

→ O ato heroico de exercer um direito

→ Simplesmente, a hora da verdade

→ Claro e simples: contra os despejos tudo ou nada

→ A justiça burguesa, mais umha vez nom perdoa

→ O fenómeno Beiras e a social-democracia espanhola

→ Eu estava ali, … e outros onde é que estavam?

Eleiçons: por ventura há decisons inóquas?

→ “Se fossedes trabalhar…” (um problema de falsos contrapostos)

→ Santiago Carrillo, contra-orbituário dum traidor

Foucelhas, memória de umha resistência

→ Repressores de maos dadas com a classe trabalhadora

→ Atençom que começa a contra-revoluçom

→ Privatizar a rua é suprimir liberdades

→ A naçom que também somos

→ Afirmaçom ou caricatura da identidade galega

O imperialismo (fracassado) espanhol e o medo à liberdade

→ A nossa língua é… um horreo!!

→ Lume no monte, problema político

→ Sobre de umha mais que provável eleiçom de Francisco Vazquez como “Defensor del Pueblo”

Crise económica, sistema fiscal, reforma laboral… a soluçom nom era nem será eleitoral (II)

Crise económica, sistema fiscal, reforma laboral… a soluçom nom era nem será eleitoral (I)

Mais umha vez, a monarquia espanhola

Pessoas sem teito na Galiza: um drama que se pode mas que nom se quer evitar

→ Abstençom, como começo de mais algumha cousa

O Piloto, luitador audaz, rebelde

A chamada de Londres entre as lapas

O galegómetro da Ana Fernández

A força da plavra “independência”

A apocalipse da cultura galega?

A cultura galega e os seus inimigos

A repressom sobre a esquerda basca (…e as suas inevitáveis reminiscências)

Ciberativismo e ativismo consequente

O vereador imbecil

Jovens galeg@s: nom fagades greve…emigrade!!!

“Lei de convivência e participaçom da comunidade educativa”: o fascismo chega às escolas

A perigosa armadilha do estado de alarme

Por trás do fumo, a persistente realidade

Umha soluçom para a Ria do Burgo

As cousas devem começar-se… polo princípio

A liberdade d@s artistas e a dignidade do público

Agardo aqui para che dar saudades

…e nós, por quem torcemos?

Organizarmo-nos para a revoluçom

…Estado aconfessional

O hiyab, a islamofobia e o estado aconfessional

O discurso da nada, como arma contrainsurgente

Obrigado, Rosa Díez

Com que camisola joga a tua consciência?

Ocultar a merda e nom resolver os problemas

A dignidade colectiva, um objectivo a alcançar também no desporto

Natal, essa agressom insolente

Umha estória de piratas

A imigraçom vista do ponto de vista de um independentista galego

Carlos Negreira: a modernidade impossível da direita, ou o retorno constante

Agora os taurinos querem dirigir o discurso antitaurino

Quem dita a política lingüística na Galiza?

Michael Jackson, a metáfora inevitável

A “Roja”, aríete da espanholizaçom

Auto-ódio doutrinal

As Atochas, como símbolo da Corunha a que nom renunciamos

O fundamentalismo católico entra no Parlamento autonómico com passadeira vermelha

A surda estupidez do fascismo (ou em solidariedade com o C.S. Aturuxo)