Home » Jorge Beinstein

Jorge Beinstein

Jorge Beinstein nasceu em 1943 em Buenos Aires, Argentina.

Doutor de Estado em Ciências Económicas pola Universidade de Franche Comté-Besançon, especialista em pronósticos económicos, tem sido durante os últimos vinte e cinco anos consultor de organismos internacionais e governos.

Dirigiu numerosos programas de investigaçom e foi titular de cátedras de economia internacional e prospetiva tanto na Europa como na América Latina.

Atualmente é professor titular das cátedras livres “Globalizaçom e Crise” da Universidade de Buenos Aires e “Prospetiva económica mundial” do doutorado da Universidade Nacional de La Matanza (Argentina), e Diretor do Centro Internacional de Informaçom Estratégica e Prospetiva (CIIEP) da Universidade Nacional de La Plata, Argentina.

Entre 1986 e 1998 foi titular da Cátedra de História económica mundial da Universidade Nacional de La Plata, Argentina, e nessa altura fundou o Centro de Estudos e Investigaçons Multidisciplinares em Inovaçom, Tecnológica e Prospetiva (Cemitep), e dirigiu o Programa de Prospetiva da Comissom Latino-americana de Ciência e Tecnologia do SELA (Sistema Económico Latino-americano).

Ativista da esquerda revolucionária e internacionalista, fai parte da presidência Coletiva do Movimento Continental Bolivariano (MCB).

Tem umha produçom de mais de um milhar de textos em publicaçons científicas internacionais e de divulgaçom em meios de difusom massiva.

Entre as mais recentes obras, destacamos:

Crónica de la decadencia. Capitalismo global 1999-2009. Buenos Aires, Cartago Ediciones, 2009.
Comunismo del siglo XXI. De la decadencia de la sociedad burguesa global a la irrupción del post capitalismo revolucionario. Caracas. Ediciones Trinchera, 2011.

A metamorfose de Efigénia (contos). Coimbra, Ed. Calendário, 2010.

Tempo de barbárie e luta. Lisboa, Página a página, 2011.

Artigos de Opiniom da sua autoria

Origem e declínio do capitalismo

– A ilusão do metacontrole imperial do caos

– Autodestruiçom sistémica global, insurgências e utopias