Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Notícias

Boicotam estátua dedicada a Ratzinger em Compostela

Sábado, 27 Novembro 2010Um Comentário

Pouco tempo permaneceu impoluta a estátua sediada no bairro das Cancelas em Compostela, dedicada à figura do Papa nazi Bento XVI. Há semanas um grupo de vizinhas e vizinhos do bairro informavam que tinham apresentado um protesto no Concelho pola presença da estátua do líder da seita católica atopando o silêncio como resposta por parte dos partidos com representaçom institucional.
Agora vimos de conhecer por meio da página web da organizaçom juvenil BRIGA da boicotagem da figura de Ratzinger coincidindo com o Dia Internacional contra a violência machista.
BRIGA informa que a acçom, que consistiu em deitar pintura lilás sobre a estátua e pendurar um cartaz com a legenda “Igreja católica = violência patriarcal”, foi reivindicada por meio dum comunicado anónimo que reproduzimos a continuaçom integramente:

Através deste comunicado, as pessoas responsáveis do boicote à figura do Papa Bento XVI na capital da Galiza queremos transladar aos meios de comunicaçom que, coincidindo com a data do 25-N, dia Internacional contra a Violência Machista, várias jovens decidimos atacar este símbolo do patriarcado organizado.

A igreja católica é inimiga da libertaçom da mulher. A igreja católica quijo sempre, e ainda quer, manter o estatus secundário que na sociedade temos as mulheres como submissas, obedientes e consoladoras frente ao home capaz, dirigente e dominante.

A perpetuaçom desta desigualdade histórica que permite e acentua as diferenças de sexo coloca-nos no alvo da violência produzida pola frustraçom dum mundo injusto onde a mercantilizaçom de todo supom a trata mui maioritária de mulheres, e de todas as relaçons, incluidas as sexo-afectivas, que queremos protagonizar livres para eleger.

Nom somos livres. Vivemos sobmetidas a umha determinaçom social que nom podemos mudar sós. Necessitamos organizar-nos para dar umha resposta em condiçons à socializaçom da nossa discriminaçom. Na exploraçom do mundo do trabalho, onde somos pior remuneradas, pior tratadas e menos solicitadas para os mesmos cargos que os homes, está a evidência científica do nosso rol subsidiário no capitalismo, e da incapacidade para enfrentar-nos individualmente a um presente de opressom sobre um passado de massacres e genocídios sexuais que sempre bençoou a santíssima apostólica.

A vizinança de Compostela nom aprovou este reconhecimento nas nossas ruas ao pai da reacçom católica. O povo compostelano demonstrou rechaçar com actos e com abstençom as luzes de neom do papado. E a juventude compostelana continuará expressando-se contra esta exposiçom de simbologia do mais retrógado e antilibertário.

Pola emancipaçom de género!