Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Notícias

Obama converte em delito investigar o vertido de BP no Golfo de México

Sexta-feira, 9 Julho 2010

Isto foi o que o presidente norte-americano decidiu para evitarem a investigaçom e a informaçom independente em torno ao vertido petrolífero que desde fai mais de dous meses provoca umha maré negra nas costas estado-unidenses do Golfo de México.

Desta forma, jornalistas, fotógrafos e fotógrafas ou pessoas que se acheguem às zonas nas que se desenvolvem as operaçons de limpeza poderám enfrentar-se a multas de até 40000 dólares ou mesmo a penas de prisom.

Esta vontade do governo norte-americano por ocultar a informaçom sobre o que realmente está a passar com esta nova catástrofe ecológica contrasta com a suposta mao dura contra a empresa responsável (British Petroleum) que Barack Obama expressou nos meios de comunicaçom, chegando a afirmar que ia “patear o cu” aos directivos da transnacional petroleira británica para que assumissem as suas responsabilidades.

A plataforma petrolífera Deepwater Horizon, umha das 3000 existentes no Golfo de México, estourava e incendiava-se o passado 20 de abril. Após este facto, no qual desaparecêrom 11 trabalhadores, começou um vertido de cru que derivou numha maré negra que aginha chagaria às costas do Sul dos Estados Unidos. Desde entom centos de milhares de toneladas de petróleo inundárom esta zona do mundo, afectando centenares de espécies, podendo causar a extinçom de até 28 delas e provocando danos ambientais, económicos e sociais de incalculáveis conseqüências.

Mais um caso de catástrofe ecológica que devemos relacionar com a rapina capitalista e a procura do máximo ganho por parte de empresas como BP, acusada agora de pôr em risco a segurança nas suas instalaçons para abaratarem os custos, assim como de agir com improvisaçom à hora de tentar conter o vertido e minimizar as suas conseqüências. Mas cumpre destacarmos também que todo isto nom seria possível sem a colaboraçom durante anos de umha administraçom norte-americana mais preocupada com a procura de petróleo do que com a segurança destas infraestruturas.