Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Notícias

A Junta acumula umha dívida de 3.000 milhons de euros com entidades bancárias, a pagar nos próximos anos

Sexta-feira, 4 Junho 2010

A Junta terá que pagar, segundo um informe do Conselho de Contas, umha dívida  de 300 milhons de euros com diferentes entidades bancárias até 2012 e de 200 milhons até 2018.

A CAG ocupa o terceiro posto entre as autonomias do estado espanhol no ranking de endividamento a respeito do próprio PIB. Concretamente adivida um 6,9% do seu PIB, muito por cima da média estatal, que está num 5,7%.

Suponhendo que a dívida total da Junta nom continuara crescendo, extremo que haverá que pensar que nom se dará, até o ano 2035 nom se acabaria de liquidá-la. Haveria anos nos que os pagamentos de dívida experimentariam picos importantes, como no 2016, no que haveria que pagar 477milhons de euros.

A previsom de despesas futuras a finais do ano 2007 (ano ao que chega o informe do Conselho de Contas) era de 8.404 milhons de euros até o ano 2049. O Conselho de Contas criticou tanto a nom dada de baixa de créditos no seu dia por parte dos diferentes governos autonómicos como a pouco clara informaçom aportada, que infravalora algumhas despesas importantes.

Como buratos pretos importantes na geraçom de dívida na Junta, encontra-se o financiamento à educaçom privada (os chamados concertos educativos) o sistema de confrarias de pesca e de marisqueio e a concissom de generosas ajudas públicas a empresas como Fenosa, Agroseguro, R ou Leche Celta. Capítulo á parte mereceriam as ingentes quantias destinadas a grandes grupos de comunicaçom, como o grupo Correo ou o grupo Voz, este último grande protegido do bipartido, já que entre subsídios às diferentes empresas e fundaçons que dependem do empório da família Fernández-Latorre, acaparou o 29% dos fundos destinados a ajudas para méios de comunicaçom.