Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Opiniom

202 aniversário de Marx

Terça-feira, 5 Maio 2020

Carlos Morais
5 de maio de 1818 nascia Karl Marx, fundador do socialismo científico.
A sua obra teórico-prática tem sido chave para guiar à classe operária na luita contra a exploraçom capitalista e por umha sociedade emancipada e livre.

O marxismo tem acompanhado e dotado de teoria revolucionária as luitas pola libertaçom dos povos oprimidos, pola emancipaçom das mulheres trabalhadoras contra o patriarcado.

Só a dialética materialista e o materialismo histórico, como método de análise e interpretaçom da realidade, nos garante luitar com possibilidades de vencer.

Mas lamentavelmente na atualidade o marxismo segue infetado por vários vírus que o disvirtuam como filosofia da praxe, como ferramenta revolucionária de transformaçom social.

A banalizaçom e manipulaçom de Marx polos partidos reformistas e revisionistas, que reduzem o marxismo a umha simples etiqueta comercial, amputando a sua carga subversiva, é o principal vírus.

A leitura fossilizada e dogmática da obra do génio de Tréveris polos que, autodefinindo-se “comunistas revolucionários”, som inofensivos e desfuncionais grupos de tértulianos, é outro dos vírus que o devora.

O terceiro é o marxismo académico com presença nas universidades e inteletuais da pequena-burguesia. Esta corrente reduz o marxismo a um simples método científico de análise da realidade, renunciando a intervir nela em sentido transformador. Boa parte destes marxólogos degenerárom nas posiçons postmodernistas que hoje confusamente se fundem nos partidos que se reclamam marxistas.

Até lograrmos depurar o marxismo destes perigosos vírus inoculados pola “ideologia” burguesa -que Marx corretamente define como “falsa consciência necessária”-, a luita proletária e o horizonte da Revoluçom Comunista nom poderá nunca avançar.

Desde a nossa específica trincheira de combate, desde a formaçom social que chamamos Galiza, levamos tempo tentando contribuir, modesta e humildemente, o êxito desta tarefa. Somos plenamente conscientes que o antídoto perante esta pandemia está em Marx e no marxismo, e que só podemos aplicá-lo mediante umha cordenacom de esforços a escala internacional.

No 202 aniversário do natalício de Karl Marx, a melhor homenagem que lhe podemos fazer é aprofundar no combate ideológico, denunciar sem trégua estas degeneraçons, e mediante umha coerente açom teórico-prática monstrar a indiscutível superioridade da cosmovisom marxista.

E obviamente continuar na reconstruçom do partido comunista revolucionário galego.

Obrigado Marx por ter fornecido a explorados e oprimidas esta guia para a açom.

Viva Marx e viva a Revoluçom Comunista!