Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Notícias

Piloto: honra e glória camarada!

Sexta-feira, 10 Março 2017

Publicamos a biografia editada por NÓS-UP na homenagem realizada ao guerrilheiro comunista galego coincidindo com o Dia da Galiza Combatente de 2011.

Pensárom que o matáram naquela manhá de 10 março de 1965, mas hoje, no 52 aniversário do seu cobarde assassinato pola Guarda Civil, a sua tenacidade e resistência pervive no comunismo revolucionário galego e na classe obreira, juventude e mulheres que sabem que só a Revoluçom Galega poderá conquistar a emancipaçom e liberdade.

PILOTO, EXEMPLO DE CORAGEM, TENACIDADE E RESISTÊNCIA
Por méritos próprios, José Castro Veiga, mais conhecido como Luís ou Piloto, fai parte de um dos episódios mais heroicos da recente história contemporánea da Pátria.
Foi o último combatente guerrilheiro antifranquista abatido pola Guarda Civil.
Durante vinte anos, mantivo incólume a reivindicaçom de liberdade e justiça social. Nunca aceitou a rendiçom, nem nengumha forma de conciliaçom com os responsáveis polo holocausto galego iniciado em 1936.
Negou-se a arriar as bandeiras do socialismo e morreu de armas na mao.

Eram pouco mais das 11.30 horas da quarta-feira 10 de março de 1965 -exatamente sete anos antes do massacre policial contra o proletariado ferrolano que provocou a morte de Amador e Daniel- quando o Piloto foi asassinado cobardemente polas forças repressivas franquistas.
Após mais de duas décadas de perserverante coerência revolucionária, caía abatido um dos melhores filhos do povo trabalhador galego da segunda metade do século XX.
A fotografia escolhida para esta homenagem, possando para a cámara no que semelha umha corte, orondo, com chapeu, camisa branca, correagens no peito e apontando com umha pistola-metralhadora, é um indelével retrato emblemático da resistência nacional e popular, da Galiza que nunca se rendeu, dessa parte do País que nem o franquismo nem a posterior operaçom de maquilhagem do atual regime monárquico espanhol logrou ocultar.
Na esquerda independentista e socialista galega nom só queremos render-lhe a merecida homenagem, como reivindicamos a sua trajetória de incansável luitador, de comunista exemplar, de galego coerente, o profundo amor pola terra à qual serviu sem mais contrapartidas que o respeito, admiraçom e carinho do seu povo, sem o qual nom teria sido possível ter superado a implacável perseguiçom a que foi submetido por falangistas, somaténs, exército e sobretodo pola brutal Guarda Civil.

OS PRIMEIROS ANOS
No dia 11 de fevereiro de 1915, nascia na paróquia de Boelhe de Argemil, concelho do Corgo, comarca de Lugo, no seio de umha família labrega, caseira de umha propriedade do general Telha. Como todo rapaz da época, tivo que dedicar-se desde muito jovem às tarefas agrícolas para ajudar a economia familiar, se bem também tivo oportunidade de ir à escola, destacando em caligrafia e álgebra.
Porém, com 16 anos, logrou ingressar na Academia de Aviaçom militar de Madrid, onde atingiu a graduaçom de cabo. Daqui procede a sua singular alcunha e, posteriormente, nome de guerra que tam profundamente ficou gravado na memória coletiva de umha ampla zona do centro e sureste do nosso País.
Durante a Guerra Civil, combateu com o exército republicano e, posteriormente à derrota, foi detido em Madrid em 1939. Em 1943, beneficiou-se de um indulto após ter passado quatro anos na prisom logo de ter sido condenado a 30 anos de cárcece.
Desde muito novo, estivo ligado ao PCE. A repressom contra esta ativa militáncia política provocou a sua volta para a Galiza entre 1943 e 1945, depois de ter estado escondido num hospital madrileno.

REGRESSO PARA GALIZA
Desde o primeiro momento de volta ao País o Piloto estabelece ligaçom com a ativa organizaçom comunista luguesa, dirigida por Júlio Neto, Ramom Viveiro, Emílio Golás, Pepe Vicente e Henriqueta Outeiro.
Numha primeira etapa, dedica-se fundamentalmente a tarefas de organizaçom e propaganda, destacando na organizaçom e implantaçom da resistência comunista no centro-leste da Galiza.
“Luís era mui bom moço, magro e direitinho. Media 1.75 -depois com o repouso engordou e chegou a pesar 115. Tinha umha facilidade de palavra, minha filha, dava cada comício nas casas que havia que escuitá-lo e convencer-se!” lembrava Mirelhe com nostalgia e imenso amor em 1980.
Pouco tempo demorou a intervir em açons armadas com grupos de combatentes que operavam por Baralha e Castro Verde.
A grande queda de fevereiro de 1946, que provoca a detençom dos principais quadros políticos e militares comunistas da “província” de Lugo, e de mais e meia centena de militantes e colaboradores/as, provoca que o Piloto se desloque e instale a finais desse ano no coraçom geografico da Galiza, na comarca da Terra de Lemos.

OS INÍCIOS DA GUERRILHA GALEGA
O brutal levantamento militar de 18 de julho de 1936 provocou que centenas de pessoas, na maioria dos casos jovens, optassem por refugiar-se nos montes à espera de acontecimentos, com o convencimento de umha rápida normalizaçom e restauraçom da legalidade republicana.
A impaciência e ingenuidade provocou centenas de mortes. Tal como graficamente manifestou com enorme sensatez Luís Trigo Chao “Guarda-rios”, quando se despede dos seus companheiros de Mondonhedo “A mim se me querem apanhar, tenhem que apanhar-me ao voo. A mim ao pousado nom me colhem”.
O adverso desenvolvimento do conflito provocou que umha parte deses fugidos que inteligentemente nom se entregassem a umha morte segura e depois de 1939 optassem por se estruturar em organizaçons guerrilheiras.
A chegada em 1940 à Galiza, às comarcas do Berzo e do leste “ourensano”, de quadros políticos e militares provenientes da frente asturiana facilitou em meados de 1941 um encontro nos montes de Casaio, na Serra do Eixo, no qual posteriormente se conheceu como a Cidade da Selva, com partidas de combatentes galegos que operavam em toda essa regiom.
Esta importante reuniom de aproximaçom e convergência facilitou que em abril de 1942 tivesse lugar o que foi o congresso fundacional da primeira organizaçom guerrilheira no conjunto do Estado. Duas dúzias de combatentes participárom nas Penas de Ferradilho (Priarança do Berzo) na constituiçom da Federaçom de Guerrilhas de Galiza-Leom.
Esta organizaçom operava basicamente no território nacional galego (Valdeorras, Viana, Terra de Trives, Fonsagrada, Bezerreá, Quiroga, Ancares, Courel, assim como nas comarcas irredentas do Berzo, Cabreira, Vale de Íbias), conformada por combatentes autótones sem um sólido enquadramento político, embora contasse com umha direçom formada por antigos oficiais republicanos asturianos de orientaçom socialista e cenetista: Marcelino Fernández Villanueva “Gafas”, Mario Morán Garcia e Marcelino de la Parra Casas.
O seu confuso nome de Federaçom de Guerrilhas de Galiza-Leom responde à lógica indefiniçom nacional do projeto pola ausência do componente galeguista do interior que estava preperando a sua capitulaçom pinheirista.
Nesta reuniom, os fugidos passárom a ser um exército guerrilheiro dotado de Estatutos, Regulamentos, Princípios e umha Direçom centralizada. Fruto deste avanço, um ano depois, é editado em Santalha, perto do lago de Caruzedo, em Valdeorras, o primeiro número de “El Guerrillero”, vozeiro que seguiu editando-se até 1946.
Em abril de 1943, tem lugar nos montes de Ferradilho o 2º Congresso da Federaçom de Guerrilhas de Galiza-Leom e a finais do verao desse mesmo ano -setembro- o 3º, onde se acomete umha restruturaçom organizativa reforçando a seu caráter militar.
Agora já nos montes de Casaio, tem lugar entre os dias 10 e 12 de outubro de 1944 o 4º Congresso, onde se constata a cada vez maior imfluência comunista. É modificado o organigrama da Federaçom que passa a se estruturar em Agrupaçons integradas por quatro guerrilhas e quatro companhias do SIR (Serviço de Informaçom Republicana) -nova nomenclatura dos enlaces-, com atuaçons em áreas geográficas concretas e determinadas.
1 e 2 de março de 1945, quando a derrota nazi-fascista na Segunda Guerra Mundial era umha realidade, tem lugar o 5º Congresso, novamente em Casaio. Os problemas políticos entre comunistas e socialistas emergem com toda a sua crueza. Nos meses seguintes aparecem novas estruturas guerrilheiras a margem da Federaçom, no que som os germes do Exército Guerrilheiro da Galiza que, após a dissoluçom da Federaçom em 1947, hegemoniza a etapa de esplendor da luita armada contra o fascismo na Galiza.
Porém, em julho de 1946, tivo lugar o 6º Congresso na mítica Cidade da Selva, na até daquela inexpugnável Serra do Eixo. Mas a reuniom nom pudo finalizar, polo ataque inimigo que provocou duas baixas. Previamente, tinham-se produzido as quedas de Columbrianos-Ponferrada e da Teixeira, saldadas com mortes e basicamente a detençons de 550 colaboradores/as.
A partir de aqui, tem lugar um processo progressivo de descomposiçom motivado polas infiltraçons, os êxitos das contra-guerrilhas (unidades militares “irregulares” que disfarçadas de guerrilheiros aplicavam as táticas da guerra assimétrica e cometiam abusos entre a populaçom para desprestigiar a luita armada), as divergências políticas internas, e a adesom de alguns dos principais dirigentes aos apelos liquidacionistas promovidos pola direçom da CNT e do PSOE que, desde 1946 e 1947, apostam no abandono da luita armada, promovendo o exílio dos combatentes.
Mas umha parte dos guerrilheir@s, aqueles/as com menor vinculaçom partidária, optárom pola integraçom ou colaboraçom com o Exército Guerrilheiro da Galiza, como o Girom ou Mário de Langulho.
A importáncia da luita guerrilheira como verdadeira oposiçom ao franquismo provoca que o regime aprove a promulgaçom da “Lei para a repressom do Bandidagem e o Terrorismo” que significa a legalizaçom do assassinato e das execuçons. O aparelho de repressom fascista aposta na aniquilaçom física sem contemplaçons. A licença para matar opta por evitar feridos e prisioneiros. Promove-se a execuçom de guerrilheiros e enlaces.
Um Decreto da Direçom Geral de Segurança (DGS) de 11 de abril de 1947 proíbe a utilizaçom do termo guerrilha, “maquis” ou “guerrilheiros”. Só se pode empregar “bandoleiros”, “foragidos” ou “bandoleirismo”. Esta decisom favorece umha mudança do significado, pois os informes da Guarda Civil quando se referem à delinqüência comum afirmam que “nom som verdadeiros bandoleiros”

O EXÉRCITO GUERRILHEIRO DA GALIZA
A IV Agrupaçom de guerrilhas, fundada a finais de 1944 sob direçom comunista, foi determinante para o posterior fundaçom do Exército Guerrilheiro da Galiza, que inicialmente adotou o nome de “Exército de Libertaçom da Galiza”.
Mas foi chegada à Galiza de José Gomes Gaioso “Lôpez” ou “Joám”, de António Seoane Sanches “Juliám”, de Manuel Branco Bueno e de Manuel Fernandes Souto “Coronel Benito” ou “Soutinho”, o que permitiu a recomposiçom integral e impulsionamento da luita armada no País. Os quatro valiosos quadros comunistas configuram o novo Comité galego do PCE, assumindo Gaioso a Secretaria Geral e Seoane a máxima responsabilidade militar.
Esta nova direçom politiza a guerrilha, incide na formaçom ideológica das e dos combatentes, imprime dimensom propagandística mediante a prática da sabotagem, mas basicamente militariza a guerrilha.
Assim, na primavera de 1948, introduzem as fardas guerrilheiras e entregam cartons de identidade em que figuram o nome real, graduaçom e unidade a que pertencem.
Em dezembro de 1946, tinha-se editado o novo número de “El Guerrillero”, mantendo idêntico cabeçalho da Federaçom. O derradeiro número sai do prelo em julho de 1951. Embora posteriormente O Piloto continue com a sua publicaçom e distribuiçom.
A aparentemente favorável situaçom internacional combinada com algumhas das medidas organizativas adotadas logram resultados imediatos no incremento e eficácia da atividade guerrilheira e introduçom política, impingindo contundentes golpes ao inimigo, mas lamentavelmente fôrom fugazes.
Algumhas diretrizes nom se ajustavam às condiçons da luita e foi sobretodo a passividade ou mesmo negativa na sua aplicaçom -como a utilizaçom de fardas- o que sem dúvida contribiu para manter intatas e alargar a vida operativa de algumhas estruturas clandestinas armadas.
O EGG foi aplicando constantemente adaptaçons organizativas com base nas necessidades e reptos. Chegou a contar com cinco Agrupaçons e várias centenas de combatentes apoiadas em milhares de enlaces.
Marrofer, Manuel Ponte Pedreira, Francisco Rei Belbis “Moncho”, Francisco Martins Leira “Pancho”, Benigno Andrade Garcia “Foucelhas”, fôrom alguns dos mais carismáticos e conhecidos.
O heroísmo de Gaioso e Seoane e do resto da direçom comunista galega, que disciplinadamente abandonárom um exílio dourado em Cuba e Argentina, respetivamente, para impulsionar a luita política e militar na sua pátria, nom é correspondido, com a traiçom da direçom do PCE encabeçada por Dolores Ibárruri, Santiago Carrillo e Francisco Antom, que, seguindo as diretrizes de Estaline a seguir a umha visita de umha delegaçom à URSS, decidem abandonar a luita armada e desmontar a guerrilha. Obscuras razons geoestratégicas emanadas dos acordos da Conferência de Yalta (fevereiro de 1945) justificavam as posteriores recomendaçons soviéticas.
Aqui constatam-se as nefastas consequências da ausência da auto-organizaçom, da absurda dependência e submetimento a projetos alheios à realidade nacional em que se pratica a luita de classes.
O extremo jacobinismo da cultura hegemónica na III Internacional pós-leninista já tinha impossibilitado a criaçom de um genuíno Partido Comunista Galego que desde 1931 teimavam em criar @s comunistas ourensanos encabeçados por Benigno Álvares.
No entanto, Carrillo e Dolores Ibarruri seguiam obedientemente as directrizes de Vittorio Codovila, que dirigia a partir de Madrid, com mao de ferro, o PCE sob a tutela da burocratizada Komitern.
Dez anos depois, todo seguia inalterável, executando o mesmo procedimento antidialético. Madrid, como intermediário de Moscovo, continuou impondo a tática e a estratégia à sucursal galega. Decisons erróneas adotadas por elementos foráneos desconhecedores da situaçom e caraterísticas concretas da luita da específica formaçom social galega, e seguindo interesses à margem do povo galego, provocárom novamente umha desfeita.
Mas tampouco podemos descondiderar que o reconhecimento internacional do regime franquista polas potências internacionais foi um duro golpe contra a resistência armada, gerando desmoralizaçom entre a rede de apoios que progressivamente se foi reduzindo polo acionar da repressom e das novas táticas que facilitavam a delaçom em troca de amnistia.
Precisamente umha delaçom permite a detençom de Gaioso e Seoane na Corunha a 10 de julho de 1948. Após infames vexames e brutais torturas, som executados a “garrote vil” na prisom da Corunha, depois de serem condenados à morte num julgamento-farsa. Enquanto isto se passava, a casta carrilhista estuda a melhor forma de implementar a desmobilizaçom e desmantelamento da guerrilha.
O que véu depois foi um conjunto de reveses contínuos provocados pola infiltraçom da Guarda Civil que incrementava êxitos na combinaçom de labores de inteligência com o combate direto.
A morte do Coronel Benito em julho de 1948 foi um duro golpe. A posterior decisom de continuar a estratégia politico-militar, agora implementada por Francisco Rei Belvis “Moncho” como máximo responsável, nom tivo sucesso. De imediato, a direçom do PC enviou de França ao nosso País o oscense José Sevil “Ricardo”, para aplicar a linha liquidacionista.
Na primavera e verao de 1951, tanto Moncho como Sevil retiram-se para França, deixando ao abandono umha parte dos restos das dicimadas estruturas políticas e armadas.
O esmorecimento da heroica resistência obreira e camponesa contra a ditadura fascista iniciou um declínio irreversível. Ainda assim, continuárom com o facho levantado e acesso um punhado de mulheres e homens valentes, entre os quais destaca José Castro Veiga, Piloto.
Foucelhas foi executado na prisom da Corunha a 7 de agosto de 1952. Umhas semanas antes, o último responsável simbólico do Exército Guerrilheiro da Galiza, Melchor Diaz “Pepito”, que detinha a secretaria geral do PC na Galiza, tinha sido abatido pola Guarda Civil.
A defunçom real da guerrilha galega tem lugar em 1952. A partir deste momento, continuam existindo partidas, mas sem estruturaçom e carentes de estratégia política e militar, mais que resistir e sobreviver.
Ainda assim, em maio de 1954 morre em Castro de Rei num confronto com a benemérita José Árias Fernández “Dapenci”. Em dezembro dese mesmo ano, foi Francisco Martins Leira “Pancho”, em Pontedeume.
Em novembro de 1957, foi capturado em Maceda Manuel Garcia Rodrigues “O porco” e executado posteriormente em Ourense.

APOIO POPULAR
Umha ampla rede de enlaces, umha extensa aranheira invisível para o inimigo, construída com base na identificaçom ideológica, simpatia política, relaçons de amizade e familiares, compromissos pessoais e temor a represálias em caso de delaçom ou denúncia, som a base que permite explicar o fenómeno da guerrilha galega antifranquista e a posterior resistência dos que se negárom a desmobilizar-se e continuárom em atividade até a metade da década de sessenta do século passado.

O PILOTO NA GUERRILHA
O Piloto, a inícios de 1947, é nomeado chefe do Estado Maior da III Agrupaçom do Exécito Guerrilheiro da Galiza. Porém, diferentemente de muitos dos seus camaradas, o Piloto nunca aplicou de forma doutrinária diretrizes e métodos que embora aparentemente corretos na teoria a realidade constatou nom sempre acertados.
Semelha que por incumprir a disciplina e as diretrizes, chegou a ser condenado à morte pola direçom do PCE, embora nom existam provas que confirmem estes factos.
Deste jeito, criou o denominado “Destacamento D”, de composiçom variável, acionar irregular e basicamente grande mobilidade. Foi a compartimentaçom e os mecanismos de segurança alicerçados em estruturas individualizadas de apoio que permitiu ao Piloto resistir mais de três lustros depois da execrável traiçom do PCE à guerrilha galega.
Tal como relatou “Mirelhe”, alcunha de Ramona Curto Candal, a sua inseparável camarada de armas e companheira sentimental, “Piloto insistia na necessidade de estar bem conetados entre eles e agir juntos ocasionalmente, mas mantendo cada um as suas bases de apoio e os seus refúgios, como melhor sistema para evitar as quedas maciças”.
“Dim que o rato que nom sabe mais que de um buraco de seguida é apanhado polo rato. Por isso … andei por muitos sítios, melhor dito, andei em todos os sítios e estivem em nengum (..) umha noite aqui e outra acolá” em palavras de Mário Rodrigues Lousada “Langulho” ou “Pinche”, o último combatente galego. Em 29 de agosto de 1968, com 55 anos, deixa Maceda para refugiar-se em França logo de 32 anos no monte.
No ano anterior Ramom Rodrigues Varela “Corujas” tinha sido depositado polos enlaces à beira de um caminho em Vilamor, Compostela, acompanahado da sua pistola Astra 400. Tinha falecido de um infarto.
Até a sua morte, o Piloto seguiu coerentemente as orientaçons dadas por José Gomes Gaioso e António Seoane ao movimento guerrilheiro galego numha carta manuscrita uns dias antes da sua execuçom 6 de novembro de 1948 -coincidindo com o ajustiçamento do chefe falangista corunhês Juan Canalejo-, “… Os malandros que tantos crimes e atrocidades cometem, nom se resignam a desaparecer. De que estám perdidos, estám eles bem seguros. Por isso a raiva e a cobardia do que se vê perdido, a desabafam nos que caem nas suas gadoupas. Mas fracassárom e fracassarám mil vezes; logo morderám o pó da derrota e a Galiza, esta terra mártir e heroica em que nascemos e pola qual gostosos damos a vida, verá brilhar o sol da liberdade e da verdadeira justiça de monte a monte e de mar a mar. Quando esse dia chegar, que chegará logo, só vos pedimos que nom vos domine o espírito de vingança; mas fazei justiça, nom esqueçais, nem perdoeis os carrascos do nosso povo”.
Foi precisamente a habilidade, astúcia e profundo conhecimento do terreno que o Piloto tinha, mas também da psicologia do povo galego, o que permitiu sobreviver durante três lustros os reveses e a cada vez maior hostilidade perante umha nova realidade.
Novamente as testemunhas de Mirelhe contribuem para entender o seu modus operandi: “O Piloto andava só quase sempre. Nalgumha ocasiom, por se camuflar ou passar despercebido, saía na companhia de algumha pessoa que a ele lhe parecia de garantia ou à qual ninguém ia parar. Porque o Piloto, tanto andava de dia como de noite. Aqui em Escairom mesmo, com o posto da Guarda Civil, ele ia ao café, andava por ai e nom tremia para nada. Era um homem mui sereno. Ia a Monforte, ia a algumha festa ao cair a tarde, embora a poucas”.
Foi esta intuiçom e olfato a que lhe evitou acompanhar a 22 de junho de 1949 o seu lugartenente, Elias Lopes Armesto, assim como Santiago Pássaro e o Coronel Benito, que proveniente do exílio na URSS nesse momento detinha a chefia do Exército Guerrilheiro da Galiza, com a de secretário-geral do PC na Galiza. Os três combatentes fôrom assassinados numha cilada de um infiltrado na Pena de Remessar, em Bóveda.
Posteriormente, umha ampla batida golpeia as bases de apoio em Monforte de Lemos, Póvoa de Brolhom, Savinhao, Bóveda, Chantada.
A partir daqui o Piloto, em companhia da sua amada Mirelhe, opta por um repregamento e por se apoiar exclusivamente naqueles enlaces da sua mais absoluta confiança.
Na segunda metade de 1949, parecia que Mirelhe e o Piloto tinham desaparecido, que foram engolidos pola terra. Mas o franquismo nunca parou de persegui-los.
Posteriormente, recupera a ligaçom com o PCE, entrevistando-se com Melchor Diaz “Pepito”, um dos homens enviados para aplicar as nova estratégia liquidacionista. O Piloto nom questionou abertamente a decisom, mas tampouco a aplicou.
À margem de que era inviável fazê-lo no ámbito rural em que operava pola ausência de concentraçons obreiras, a realidade constata que em 1950-1951 continuou realizando golpes centrados na recuperaçom de fundos.
Precisamente em junho de 1951 tivo lugar a última grande açom conhecida, consistente na apropriaçom de 100.000 pesetas da época a um rico casal. Os factos tivérom lugar três anos depois da decisom de suspender o acionar armado polo PCE e dous da proibiçom de dar golpes económicos na Galiza.
Nos anos seguintes, o Piloto mantivo-se em segundo plano, vivendo em casas de enlaces polas Terra de Lemos e “província” de Lugo, mas também -tal como manifestou Mirelhe a inícios da década de oitenta- polas “províncias” de Ourense e Ponte Vedra. Isto só foi possível graças à densa rede popular de apoio.
Porém nom significa que estivesse inativo: “Apertavam tanto e andavam tanto por cima, prendendo aqui, torturando ali e dizendo por todas partes que ia cair, que ia cair… Mas ele seguiu igual, fazendo um labor um pouco mais calado, porque a gordura ia apoderando-se dele, mas sem deixar de luitar nunca”.
O irracional desenvolventismo económico franquista e as sua particular política hidraúlica, inçando de barragens alguns dos melhores vales e terras produtivas da Naçom, também contribui negativamente para alterar o ámbito vital do Piloto.
A barragem dos Peares primeiro, e posteriormente a de Belesar, modificou o espaço geográfico no qual se vinha movendo como peixe na água, conseguindo ter evitado ser detetado pola Guarda Civil. Aldeias assulagas como a de Sernande (Chantada) e a emigraçom que começou a vaziar de populaçom amplas zonas da Galiza interior provocou perda de refúgios e de enlaces.
Segundo Mirelhe nunca pensou no exílio. Apostou em viver na clandestinidade e morrer na terra onde nasceu e que tanto amou.
Este período é ainda um dos menos conhecidos da sua vida. Voltando a Mirelhe, sabesse que “vinha fazendo umha viagem de ano em ano, de uns oito dias. E no resto do tempo saía também às vezes, mas voltava aginha”.
“Tivemos casas nas quais estivemos três anos seguidos. Ele estava cabo de mim quando queria, mas com freqüência saia a organizar zona. Porque nós, embora estivéssemos seguros numha casa, tratavamos sempre de abrir zona, entre outras cousas porque, se caía umha casa, tinhamos que ter onde apoiar-nos e refugiar-nos”.
O que é evidente é que o Piloto, além de garantir a sua susbsistência, continuou operativo, embora ralentizado, até a sua morte. Seguiu editando um rudimenário boletim denominado “Vida Guerrillera”, distribuindo propaganda, enviando cartas à Rádio Pirenaica, mantendo ativada a sua rede de colaboradoras e colaboradores, elaborando documentaçom como os Estatutos das Agrupaçons II e III do que denomina “Exército Guerrilheiro de Libertaçom Nacional”, integrado polas “forças combatentes armadas do Movimento de Resistência da Galiza”.
No que se considera o último documento escrito que se conserva, realiza um apelo ao povo galego e aos trabalhadores para umha greve geral política “O franquismo que assassinou o mártir Julián Grimau pretende hoje assassinar o heroi Ramón Hormazabal …”.
Portanto, nem renunciou, nem abandonou. Todos os dados que se conservam constatam que possuía um projeto a meio prazo que nom pudo implementar, pois foi abatido pola Guarda Civil após ter realizado umha recuperaçom de fundos na casa de uns ricos gadeiros.

MIRELHE, INSEPARÁVEL CAMARADA E COMPANHEIRA SENTIMENTAL
Nom se pode entender a perserverante entrega do Piloto à causa da luita pola liberdade e contra o fascismo sem o apoio de quem foi a sua melhor camarada e o seu grande amor: Ramona Curto Candal.
Após tê-la conhecido a 19 de maio de 1946, na casa familiar de Recom, e estabelecer umha relaçom, incorporou-se à luita clandestina guerrilheira em outubro de 1947. Desde esse momento, estivo sempre com ele. Foi o seu melhor aliado, o seu permanente apoio e quem dez anos depois da sua desapariçom contribuiu para recuperar a sua trajetória de combatente guerrilheiro galego.
No 21 aniversário da sua execuçom, tivo lugar a primeira homenagem pública de que se tenha constáncia. Mirelhe foi determinante na sua organizaçom.
No domingo dia 9 de março de 1986, foi inaugurada umha lápide no seu túmulo, paga por subscriçom popular. Houvo leitura de poemas e intervençons.
Segundo as crónicas jornalísticas umha parte de “seletos” convidados nom acudírom. Nem apareceu Carrilho, nem Líster, nem Ignacio Gallego, como tampouco Gerardo Iglesias, daquela secretario-geral do social-democratizado PCE.
Outra ausência foi a dos líderes da esquerda nacional. Nem rasto de dirigentes do BNG, UPG ou PSG-EG.
Mas tampouco ninguém os botou realmente em falta. Ali, ao pé dos seus restos, no cemitério da paróquia de Sam Fiz de Asma, no Savinhao, estava a sua amada, antig@s e leais camaradas e colaboradoras/es, o povo que o protegeu e lhe deu cobertura durante duas décadas.
Após o assassinato, a Guarda Civil visitou casas e aldeias da comarca do Lemos buscando pistas. Numha delas estava Mirelhe: “Eu dixem de sair ao monte, mas na casa onde estava respondêrom-me de que de nengumha maneira, que aqui se morremos, morremos todos… botei umha semana sem dormir. As mulherinhas punham-me erva dormideira, sem eu ver, debaixo do travesseiro… fiquei sem umha cadela, de onde? Ele gastava em papel, gastava em multicopiar, ele tinha máquinas de escrever, comprava tintas o demo do inferno! Como nom tinha contato de fora, trabalhava e organizava ele”.
Após o demolidor golpe que supujo a morte do Piloto, Mirelhe abandonou as terras com que tinha compartilhado umha intensa e apaixonante vida.
Depois da morte de Franco, voltou para a casa familiar de Recom. Nunca contou os segredos da clandestinidade, as casas e apoios que permitírom sobreviver à caceria fascista, mas numha entrevista concedida em 1980 reivindicou com orgulho a luita do Piloto e o profundo amor que ainda professava “Olhe, eu estava e estarei apaixonada por le sempre, até que morra. Passei muitos trabalhos, muitos… Eu tinha mui boas oportunidades para casar bem, porque era bastante agraciada naquele tempo. Tinha mestres, tinha ferroviários em mui boa posiçom, mas eu nunca quigem ninguém que nom fosse ele. Som umha mulher mui sensível, e desde que o conhecim, compadecim-me das penas que passava e sentim-me atraída por aquela ideia que ele tinha, tam firme. (…) Eu dava-o todo por ele, todo. Se via os guardas e podia evitar que recebesse o tiro e recebê-lo eu no seu lugar, eu recebia-o. Isso era assim e eu creio que assim tem que ser”.
Albaceia da sua memória,embora umha boa parte dos factos nunca se podam vir a saber, pois levou-nos com ela quando faleceu, nom se pode reivindicar o Piloto sem contar com Mirelhe.

COBARDEMENTE ABATIDO POLA GUARDIA CIVIL
Na manhá de 10 de março de 1965, com meio século recém cumprido às suas costas, o Piloto realizou a sua última açom de guerra: umha apropriaçom económica de 15.000 pts a um rico vizinho de Lama Grande, na Bugalha, Savinhao, em “conceito de multa imposta polo governo legítimo da República”.
Horas depois, caía abatido por disparos da Guarda Civil enquanto tranquilamente comia pam com chouriço à beira do regato das Andorinhas, no Choupám, que separa as paróquias de Pesqueiras e Sam Fiz de Asma, ambas pertencentes ao concelho de Chantada.
Tal como lembrou Mirelhe, se nom tivesse sido denunciado o Piloto “sempre trabalhou para derrocar Franco. Organizava, escrevia e trabalhava contra o franquismo”, estaria vivo ao seu carom. “Porque ao Piloto queriam-lhe muito nas casas onde estávamos. Era umha pessoa de caráter mui humano, que qualquer cousa que tinha, repartia-a. Isto convertia-o num homem mui querido, ao que nom é facil colher… mas esse delator seguiu-no, logo avisou a um guarda civil retirado e este chamou ao posto de Chantada. E ali, no salto de Belesar, quando comia à beira de um regato, matarom-no, pobrinho… mas, se nom fosse por esse homem, nom o colhiam nunca. Nunca”.
A imprensa da época recolhia assim a sua morte. “Piloto, foragido tristemente famoso, morto pola Guarda Civil em Belesar” intitulava a toda página a capa de “El Progreso” de Lugo.
A crónica oficial apresentou assim os acontecimentos:
“Às onze da manhá do dia 10, um vizinho do Savinhao confiou ao ex-subtenente D. Angel Fernández a notícia de que o tristemente foragido Piloto, que durante tantos anos castigou toda esta comarca, está outra vez por aqui. Este apressou-se a telefonar ao quartel da Guarda Civil de Chantada. Entretanto, o paisano viu como o Piloto atravessava a represa. Na sua aparência, era um empregado ou trabalhador qualquer, pois ia tocado com umha bilbaína, um casaco de maom azul em bom estado e uns sapatos fortes. Tapava-se da chuva com um guardachuva e sem pressas percorreu os caminhos e dirigiu-se face o Paiol, beireando o rio barragem acima, e metendo-se, ao final da pista do embarcadouro polo canal até um regato chamado do Facheiro, que é limite entre as paróquias de Sam Fiz de Asma e Pesqueiras.
O ex-subtenente vigiou todos os seus passos e, umhas vezes adiantando-se e outras atrassando-se, conheceu o seu exato paradeiro; assim que quando posteriormente se apresentou o tenente chefe da linha de posto D. Alberto Díaz Lôpez, com os guardas, pudo indicar o paradeiro.
Dous guardas civis seguírom o seu derroteiro e outros dous avançou pola parte alta por onde dominava toda a barragem. Os primeiros chegárom a um ponto onde vírom o sujeito, com as senhas exatas que acabava de receber, e gritárom-lhe “Alto, Piloto”, vendo que a reaçom imediata foi empunhar a sua pistola metralhadora para vender cara a sua vida. Nom houvo lugar: três balas certeiras rubricárom a morte do tristemente famoso Piloto.
Quando lhe dérom o alto parece ser que estava comendo sentado numha pedra e com umha Parabellum do 9 longo com duplo carregador, umha pistola metralhadora e cento e sessenta e um projéteis. Na sua carteira tinha três cartons com o seu verdadeiro nome, José Castro Veiga, um deles do Partido Comunista e outro do Exéfcito Vermelho, onde figurava o título de “general”. Levava também 15.625 pts, dous anéis de ouro, um selo e umha aliança. No seu pulso, um relógio de ouro Omega.
O seu semblante demasiado branco mostra às claras que refugava o sol e que levava umha vida oculta. A sua estatura era de um metro e setenta e o seu peso sobrepassava os oitenta quilos, a barba bem feita e tocado com um bigotinho muito curto. Nom era possível polo seu aspeto e indumentária de produtor pensar, ao vê-lo, que se tratasse do tam persegudio Piloto”. (El Progreso de Lugo, 11 de março de 1965).

Porém, o Piloto foi friamente executado numha açom de puro terrorismo de Estado. Nunca houvo intençom de o deter, de o capturar vivo. Só se pretendia abatê-lo. Dérom-lhe o alto quando já estava morto.
“Dez de março achava-se Luís no lugar da Bugalha, na comarca chantadina, para retirar algum dinheiro de umha casa. Dario, um dos filhos, viu-no sem ser visto e saiu pola porta das traseiras, seguindo os seus passos pola ribeira, face a barragem que Fenosa construiu em Belesar. Ao pé de um regueiro, sentou a comer pam com chouriço que alguém lhe dera. Enquanto o Dario lhe tinha contado o caso a Angel Fernández Blanco, empregado da barragem, ex-subtenente e filho de um brigada da Guarda Civil. O Angel chamou ao quartel de Chantada e posteriormente indicou o lugar onde estava. Os guardas seica nom queriam ir de boa vontade, mas o Angel ameaçou de dar o parte ao capitám de Monforte. Rodeárom-no. Ao vê-lo faltou tempo para que lhe disparassem quatro tiros na cabeça e no ventre, enquanto um berrava alto Piloto!
Depois chegou o capitám -ele já estava morto, para lhe zorregar duas patadas no cu: “ahora te he cogido, cerdo comunista”, e a seguir foi transferido para o cemitério de Sam Fiz, onde lhe figérom velório alguns vizinhos, fala-se para evitar que vinhessem à sua procura os seus companheiros… De manhá, alguns dim que o esquartejárom como um porco, outros dim que nom, mas todos concordam em que o enterrárom despido de todo, na terra, dando volta à escada onde o levavam”, relata Mirelhe numha entrevista realizada em 1979.

No ano 2004, morreu no Porrinho Dario Vázquez Fernández, o delator que facilitou o assassinato do Piloto, que era filho de Ricardo Vázquez, o dono da casa do Souto, da paróquia de Rebordaos, Savinhao, onde o Piloto realizou o que foi a sua derradeira açom.
Pouco depois abandonárom a casa, pois a longa sombra da guerrilha que o Piloto implantou nesta zona nom os deixava dormir sossegados.

PERSISTEM INCÓGNITAS
Nunca aceitou as ordens do PCE de abandonar a luita armada, mas tampouco emocionalmente se arredou do que para ele seguiu sendo sempre o partido.
Nom sabemos com exatidom se na sua última etapa José Castro Veiga “Piloto” mantinha algum tipo de relaçom orgánica com o PCE. O que sim podemos afirmar com rotundidade é que agia à margem da linha conciliadora da casta carrilhista. “Ele era o que organizava e levava o peso todo, porque nom tivemos ajuda de ninguém” lembra Mirelhe.
Entre as pertences que portava quando foi assassinado, seguindo a lógica da legislaçom de 1947 de nom fazer prisioneiros, as autoridades fascistas apresentárom um cartom do Exército de Libertaçom assinado por Henrique Líster poucos meses antes antes, pois aparece com a idade de 49 anos e como profissom General Chefe do Estado Maior.
A falta de umha investigaçom historiográfica profunda sobre a sua figura e sobre o fenómeno guerrilheiro antifranquista da Galiza, cumpre evitar especulaçons, mas também deixar-se levar polas aparentemente assépticas análises académicas ou as crónicas sensacionalistas que pretendem ocultar a verdadeira dimensom política e razons de umha luita heroica e exemplar.
Está pendente umha investigaçom global do papel e dimensom da guerrilha galega desta etapa. Os papéis do Piloto (escritos, apontamentos, publicaçons, documentos) como de umha boa parte dos quadros político-militares que ainda se conservam som fundamentais para entender porque este fenómeno atingiu umha dimensom de massas.
Os estudos parciais e incompletos realizados constatam que entre 1943 e 1951 morrêrom em combate 381 guerrilheir@s, 470 fôrom detid@s, 95 entregues, e também fôrom 5.381 enlaces detid@s.
Era umha guerrilha urbana e rural com umha inequívoca composiçom popular, onde o proletariado urbano e labreg@s eram esmagadoramente hegemónicos.
O Piloto morre aos poucos meses do processo de reconfiguraçom da esquerda nacional iniciado 25 de julho de 1964 com a fundaçom da UPG; o Piloto é abatido quando o Che estava caminho de Tanzánia para iniciar a campanha internacionalista africana; O Piloto é assassinado na fase primária de reorganizaçom na Galiza da luita operária e popular contra o fascismo e pola libertaçom nacional e social.

Porém, o seu exemplo nom foi esquecido. O seu fusil foi recolhido por Moncho Reboiras primeiro, por Abelardo Colaço depois; por Lola Castro, por José Vilar mais tarde, e por todas aquelas mulheres e homens que continuam a luitar por umha Pátria Socialista, por fazer realidade um luminoso amanhá de liberdade, justiça social e paz.