Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Em destaque

10 de Março, Dia da Classe Obreira Galega

Sexta-feira, 10 Março 2017

 

Hoje é o Dia da Classe Obreira Galega. 10 de março de 1972 as forças repressivas da burguesia espanhola matárom em Ferrol a Amador Niebla e Daniel Rei, ferindode bala a mais dumha dúzia de proletários do naval, numha mobilizaçom em defesa de melhores condiçons laborais.

Boa parte das reivindicaçons da altura seguem 44 anos depois plenamente vigentes porque ou bem ainda nom se atingírom, ou bem se perdérom nos retrocessos da ofensiva neoliberal.

Publicamos integramente o comunicado 53 da Direçom Nacional de Agora Galiza que analisa a situaçom da luita de classes na Galiza.

Amador, Piloto, Daniel, a luita obreira é o único caminho

Paradoxalmente, a medida que a ofensiva do Capital contra o Trabalho se intensifica, as luitas operárias vam perdendo vigor, intensidade e combatividade. O ano 2016 finaliza com o menor número de greves e conflitos laborais das 4 últimas décadas. Eis a adversa realidade da radiografia da luita de classes na Galiza.

Mas esta situaçom tem umhas causas claras que convém determinar para corrigir o rumo atual que nos conduz inevitavelmente a umha severa derrota do proletariado, da classe obreira e do conjunto do povo trabalhador galego.

O sindicalismo hegemónico, tanto o de ámbito espanhol como o galego, carecem de vontade real para agir como ferramentas defensivas da classe operária. Converterom-se em mastodónticos aparelhos burocráticos financiados polo Estado burguês para promover e legitimar a conciliaçom e a “pax social”, imprescindível para aprofundar na exploraçom e disciplinar a classe obreira.

Os pronunciamentos realizados nas últimas semanas polas amarelas CCOO e UGT, mas também pola CIG, som meras declaraçons para galeria, simples posicionamentos administrativos, inofensivos amagos sem percorrido algum, dirigidos basicamente a manter “pressom” mediática para nom perder o seu privilegiado estatus como parte da maquinária do Estado postfranquista.

A ausência real de empenho por organizar e mobilizar a classe trabalhadora galega na defesa dos seus direitos laborais, sociais e políticos, sob umha estratégia de luita permanente e encadeada, é o pam de cada dia do sindicalismo maioritário.

Se a isto acrescentamos os vínculos diretos destas estruturas sindicais com os partidos reformistas e sistémicos que alimentam o ilusionismo eleitoral desta ditadura burguesa sob fachada democrática, compreenderemos melhor a carência por promover a conflituosidade laboral, por politizar e ideologizar a classe trabalhadora.

Conciliaçom de classes e ilusionismo eleitoral som as duas caras da mesma moeda. Som a estratégia que levam alimentando nas últimas quatro décadas os partidos e forças políticas da “esquerda” institucional. O seu fracasso é umha evidência impossível de maquilhar.

A “nova política” vaziou as ruas de protestos e liquidou o ascendente movimento de massas que entre contradiçons estava dando passos na sua radicalizaçom e politizaçom.

Hoje a classe operária galega tem menos direitos e liberdades que as atingidas na luita contundente nas fábricas, centros de trabalho e na rua pola geraçom proletária de Daniel e Amador.

Todas as conquistas e direitos que nos suprimírom e as que pretendem liquidar-nos som resultado da luita operária e popular. Nada nos foi entregue gratuitamente. A burguesia nunca concedeu nada de forma voluntária e pacífica. O pactismo e a conciliaçom som sinónimos de mais derrotas e mais retrocessos.

Estamos na antesala do novo pacote laboral que exige Bruxelas e Berlim ao governo espanhol. Mas perante o retrocesso nas pensons e nos salários, no incremento da precariedade laboral, da emigraçom, da pobreza e da exclusom social, o sindicalismo hegemónico nom passa de convocar mobilizaçons meramente rituais, processons para cubrir expediente e aparentar, às que obviamente só assiste umha parte do seu aparelho burocrático de liberados e militantes das forças políticas instaladas no cretinismo parlamentar.

Perante este adverso panorama cumpre ao proletariado galego recuperar a iniciativa e a centralidade discursiva, deslocar e depurar a pequena-burguesia da direçom do movimento obreiro, recompor o sindicalismo, promover ferramentas unitárias de defesa, resistência e combate obreiro.

A melhor contribuiçom para comemorarmos o 100 aniversário da Revoluçom Bolchevique é visibilizar a imensa capacidade e potencialidade de luita da nossa classe, acreditar nas possibilidades reais de atingirmos vitórias parciais para acumularmos na forja do combate operário as forças necessárias para tomar o poder.

No 45 aniversário do assassinato em Ferrol pola polícia espanhola de Amador Niebla e Daniel Rei, no 52 aniversário da execuçom em Sam Fiz de Asma pola Guarda Civil do guerrilheiro comunista galego Luís Castro Veiga, “Piloto”, o socialismo independentista honra a sua memória e lembra que o seu sangue é semente da Revoluçom Galega.

Viva a classe obreira galega!

Viva o internacionalismo proletário!

Viva Galiza ceive, socialista e feminista!