Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Opiniom

Lenines, crepes e filhoas

Quarta-feira, 22 Fevereiro 2017

Carlos Morais
Nalguns países da América Latina é bastante comum o nome de Lenine. Assim se chama o candidato da “Aliança País”, a força mais votada nas eleiçons presidenciais do passado domingo no Equador.
Lenin Moreno representa o “correismo”, essa corrente da nova social-democracia que há umha década gerou grandes expetativas populares, mas que inevitavelmente evoluiu face posiçons de neoliberalismo light.
A involuçom ideológica desse enorme magma que ainda a dia de hoje se denomina “esquerda” provoca que importantes setores identifiquem o governo de “Aliança País” como “progressista e anti-imperialista”. Mas a realidade desminte esta errónea caraterizaçom.
Correa nunca foi Chávez e o seu legado nom passa dumha modernizaçom do capitalismo equatoriano, optando por substituir parcialmente os investimentos dos Estados Unidos polos da China como nova potência que se apropria de boa parte dos setores estratégicos da sua economia.
A “revoluçom cidadá” é a expressom autótone das políticas “desenvolvementistas” que substituírom parcialmente os interesses das velhas oligarquias entreguistas polos das novas elites, nas que se insire Lenin Moreno, que só compartilha nome com Vladimir Ilich Uliánov. Que ninguém se confunda!
A corrupçom geralizada, a repressom dos movimentos populares e da verdadeira esquerda, políticas ultraconservadoras em matéria de direitos básicos das mulheres, expulsom das comunidades indígenas dos seus territórios ancestrais para favorecer as multinacionais mineiras, etc, definem a última década na política interna equatoriana.
Mas a adulteraçom da “esquerda” que ainda se define “marxista” provoca que “respeitados” inteletuais assalariados deste tipo de governos mediante promoçons da sua figura [conferências bem remuneradas, ediçom de livros, presença nas tertúlias televisivas], assim como forças e partidos que se definem “comunistas”, aplaudam e branqueem este tipo de governos.
Disso aqui sabemos muito, tantos anos escuitando que o PSOE é umha força de esquerda versus o reacionário PP.
Nesta época de entrudo há muita gente mal informada que confunde as crepes com as filhoas. Semelham parecidas, mas nom som a mesma cousa! O mesmo passa com Lenin Moreno!
48 horas depois de finalizar o escrutíneo a CNE do Equador nom emite os resultados eleitorais. Ainda nom se sabe se vai ser necessária umha segunda volta. É mais que lógico que se gerem desconfianças sobre a sua imparcialidade!