Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Nacional, Notícias

24M, nova jornada de greve no ensino galego

Segunda-feira, 23 Março 2015
unnamed
Sindicatos e organizaçons estudantis convocam novamente umha jornada de greve geral no ensino da Galiza contra as políticas privatizoras implementadas polo governo espanhol do PP.

AGIR e as outras duas organizaçons estudantis patrióticas (Comités e Liga Estudantil Galega) secundam a convocatória promovida pola CIG e que contra com o apoio de assembleias e coletivos estudantis de diversos pontos da geografia nacional.
A convocatória do professorado é só no ensino universitário, e a convocatória estudantil é também no ensino meio. 
 
Manifestaçons
Além de paralisar completamente o ensino secundário e universitário, som sete as manifestaçons promovidas nas grandes cidades polas organizaçons convocantes. Todas partirám às 11.30 dos seguintes pontos:
Compostela: Alameda.
Corunha: Praça de Ponte Vedra.
Ferrol: Prédio da Junta.
Lugo: Prédio dos Sindicatos.
Ourense: Chefatura Territorial de Educaçom.
Ponte Vedra: Praça da Peregrina.
Vigo: Praça da América.
 
Reproduzimos o comunicado unitário emitido polas organizaçons estudantis independentistas e nacionalistas galegas.

unnamed (1)

24 de março saímos à rua para berrar: Nom ao 3+2

Numha nova forma de privatizaçom da universidade pública o governo do Partido Popular quer implantar o 3+2. Umha forma de lhe dar às universidades privadas a licença de implantar este sistema, podendo ter ofertas muito mais flexíveis, enquanto que as universidades vem-se obrigadas a umha reestruturaçom completa com um custo económico inviável para a situaçom económica na que se encontra o ensino público.

Com um sistema educativo a cada vez mais debilitado, com menor financiamento e maior inversom do capital privado esta-se-lhe a dar ao poder financeiro a capacidade de poder intervir diretamente na nossa educaçom. Desta forma, as universidades passarám ser um campo de provas do capital para controlar a classe trabalhadora e criar mao de obra barata

O estudantado está a ser expulsado do ensino superior mediante o encarecimento das taxas universitárias à vez que aumentam os recortes em bolsas provocando isto a impossibilidade de muitas galegas e galegos o direito de se formarem. Agora, com o novo modelo encarecera-se ainda mais o preço total dos estudos, com o único objetivo de que cheguem à universidade aquelas pessoas cujas famílias se puiderem permitir o que se está a converter num luxo.

É assim como as estudantes de ensino médio vem reduzida a possibilidade de poderem estudar na universidade pública por estar esta a se tornar um privilégio. Estudantes que, além do preço da universidade, tenhem que ter em conta a vida fora do fogar familiar sem a ajuda das instituiçons. Todo isto com um sistema que impossibilita a compatibilidade dos estudos superiores com trabalhos que, no caso da gente nova, podemos assumir como precários.

O 3+2 aprofundiza nos falsos mitos que começárom com Bolonha. Venderom a especializaçom e empregabilidade, e para a maioria do estudantado isso traduziu-se em elitizaçomn e precariedade. Aquelas que poidam pagar um mestrado terám trabalho na empresa privada que o oferte, e a maioria, as que só poidam pagar os 3 anos de grau, terám na mao um título inservível com o que aceder a um trabalho precário.

É por isto que, desde as organizaçons estudantis da esquerda nacionalista e independentista queremos chamar todo o estudantado galego a luitar contra esta nova reforma de desmantelamento do ensino público e precarizaçom da mocidade galega, e pular por um ensino verdadeiramente público, galego, democrático e anti-patriarcal, baleirando as aulas o vindouro 24 de março enchendo as ruas numha jornada de greve para demonstrar a nossa oposiçom a esta reforma.

 

AGIR, Comités e Liga Estudantil Galega