Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Notícias

NÓS-UP rejeita a venda do Nova Galicia Banco ao capital privado venezuelano por preço de saldo

Terça-feira, 24 Dezembro 2013

presidente-de-banesco-se-reune-con-el-presidente-de-la-xunta-de-galicia

Reproduzimos o comunicado de NÓS-Unidade Popular perante a venda do NGC ao venezuelano Banesco.

NÓS-UP rejeita a venda do Nova Galicia Banco ao capital privado venezuelano por preço de saldo

As que fôrom maiores caixas de aforro da Galiza, fusionadas e convertidas em banco e adquiridas por 9 mil milhons de euros públicos polo Estado espanhol, fôrom finalmente entregues de volta ao capital privado pola ridícula quantidade de mil milhons de euros nos últimos dias deste ano 2013.

Consumou-se desse modo a perda de qualquer controlo público e popular da atividade de umha entidade financeira engordada polo aforro galego e desviada da sua funçom originária através da especulaçom protagonizada polos seus gestores, em conluio com os sucessivos governos autonómicos que o permitírom.

O resultado é conhecido: enriquecimento e prémios para os dirigentes das antigas Caixa Galicia e Caixa Nova, delinqüentes de luva branca que abandonárom as respetivas entidades para um retiro dourado.

Entretanto, o crack financeiro do banco resultante e o roubo generalizado a dezenas de milhares de famílias galegas através das chamadas preferentes e subordinadas, que também ficou impune, deu passagem ao resgate público do banco.

O “austero” governo espanhol do PP pagou 9 mil milhons de euros públicos para salvar um NGB em falência total, mediante umha estatizaçom que agora é revertida com a entrega da entidade por mil milhons ao capital venezuelano, numha manobra ruinosa que deixa no caminho 8 mil milhons de dívida pública.

Este folhetim de especulaçom financeira e roubo por parte da burguesia vende-pátrias galega, apoiada no poder institucional espanhol, é mais umha mostra da condena que para o povo trabalhador galego supom a dependência da Espanha corrupta que joga com os nossos recursos e nos condena à ruína.

Os poderes político e económico, misturados na gestom das grandes entidades financeiras, demonstrárom a sua incapacidade de gestom ao serviço da maioria, limitando-se a se enriquecer roubando a maos cheias.

Nom esqueçamos que mesmo um importante património artístico-cultural galego, pertencente às antigas caixas, passará agora a maos privadas estrangeiras, num espólio que umha naçom com dignidade nom pode permitir.

A Galiza nom pode continuar a entregar um cheque em branco ao Estado espanhol, nem à sua sucursal autonómica, para que continuem a arruinar as potencialidades económicas e a roubar os recursos de todo o tipo cujo único proprietário legítimo é o nosso povo.

Só o combate ao modelo de dependência capitalista imposto à Galiza e o exercício da nossa soberania como povo podem pôr freio às constantes agressons que padecemos.

Só assim poderemos criar um Banco Nacional Galego, que dinamize a economia, apoie as iniciativas económicas e empreste créditos com juros meramente testemunhais ao conjunto d@s assalariad@s, tal como a esquerda independentista que NÓS-UP representa sempre defendeu.

Só assim serám castigados os responsáveis polo empobrecimento crescente que sofre o nosso povo e por operaçons de corrupçom financeira como as que rodeiam o caso deNova Galicia Banco.

Os mesmos que nos conduzírom a esta crise nom vam tomar as medidas necessárias para dar a volta à situaçom. Deve ser o protagonismo popular que imponha umha nova política, com base na soberania nacional galega, rumo ao socialismo.

Direçom Nacional de NÓS-Unidade Popular

Galiza, 23 de dezembro de 2013