Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Internacional, Notícias

Farianas, novo web da insurgência comunista colombiana

Segunda-feira, 14 Outubro 2013

As FARC-EP venhem de estrear o web www.mujerfariana.co dedicado a divulgar a presença feminina na organizaçom guerrilheira pois “as FARC-EP também tenhem rosto de mulher …”.

No Manifesto publicado para explicar as razons desta iniciativa, além de manifestar o “compromisso revolucionário, marxista, leninista, latinoamericanista e bolivariano pola Paz com Justiça Social para o nosso povo”, afirmam que “ser guerrilheiras significa tomar a decisom de luitar, de assumir a responsabilidade polos nossos atos, de libertar-nos de um destino preestabelecido, de esses roles definidos por umha sociedade injusta e excluinte. A nossa incorporaçom nas filas representa de por sí um ato de rebeldia e libertaçom; é fazer parte dum coletivo onde ser homem ou mulher está rebasado pola condiçom de combatentes revolucionários por um mundo justo”.

No Manifesto também destacam que “Somos parte da história, herdeiras de quem obtivérom a primeira independência da nossa naçom; de quem luitárom por conquistar direitos fundamentais como o sufrágio entre outros; das primeiras guerrilheiras que demonstrárom o mesmo valor ao empunhar o fusil ou dar a batalha ideológica; elas ganhárom o direito a ser chamadas combatentes, comandantes, camaradas”.

Denunciam da manipulaçom de que som objeto polo regime oligárquico

“Ao longo da nossa luita, como o resto das mulheres, temos sido estigmatizadas e discriminadas por este regime. Contra a nossa organizaçom tenhem lançado umha maligna campanha mediática, apoiada polo poder económico e político imperial, para desvirtuar a nossa essência revolucionária e humanista, para acalar as vozes justicieiras, para maniatar as açons de quem nos temos alçado em rebeldia.
Em inumeráveis e pérfidas invençons, as guerrilheiras somos apresentadas como vítimas dos nossos companheiros e da organizaçom revolucionária. O objetivo é claro: desmotivar a vinculaçom da mulher colombiana ao combate revolucionário”.