Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » 130aniversariomarx, Em destaque, Notícias

Primeira Linha promoveu debate internacional sobre a vigência do marxismo nas XVII Jornadas Independentistas Galegas

Terça-feira, 23 Abril 2013

Como cada ano desde 1997, as Jornadas Independentistas Galegas constituírom um foro de debate no seio da esquerda revolucionária independentista da Galiza, com presença de relevantes analistas e militantes do movimento revolucionário internacional.

No passado sábado dia 20, o Centro Social do Pichel acolheu o evento, dedicado à figura de Karl Marx e ao marxismo como guia para a compreensom e transformaçom da sociedade, mediante a derrota do capitalismo e a construçom do socialismo.

Esta nova ediçom das Jornadas Independentistas Galegas realizou-se em plena crise e descomposiçom do regime espanhol e no quadro de umha multicrise internacional que pom em questom a própria continuidade da Uniom Europeia como espaço ao serviço do grande capital e do imperialismo.

Com umha depauperaçom generalizada cada vez mais clara e patente para amplas camadas sociais do nosso país, o nosso partido considerou necessário divulgar e debater o pensamento revolucionário do fundador do marxismo, como contributo para o rearmamento ideológico e político das massas, como melhor forma de afrontar os grandes desafios colocados pola atual crise.

Na parte da manhá, a primeira sessom das Jornadas começou com as palavras do secretário-geral do nosso partido, Carlos Morais, lembrando a figura de Hugo Chávez Frias, líder revolucionário venezuelano recentemente desaparecido, a quem foi dedicada a jornada de debate que começava nesses momentos.

Antes de dar passagem à apresentaçom dos dous camaradas que participárom na primeira sessom, transmitiu a satisfaçom pola presença nestas Jornadas de Miguel Nicolás e Telmo Varela, ex-presos políticos galegos, que nas ediçons anteriores nom pudérom assistir por estarem encarcerados.

De Portugal, o camarada Silvestre Lacerda, militante do PCP, trouxo-nos umha visom biográfica de Marx, enquadrando-a no contexto histórico em que viveu, destacando os enormes contributos teórico-práticos do revolucionário alemám no desenvolvimento do programa político da classe trabalhadora.


Dos Països Cataláns véu Joan Teran, do Secretariado Nacional das CUP, que analisou o marxismo com a perspetiva de umha naçom oprimida e das necessidades emancipatórias da classe operária e do povo trabalhador no seu conjunto.

Já na parte da tarde, a segunda sessom foi protagonizada primeiro por Nines Maestro, dirigente da Red Roja (Estado espanhol) e militante revolucionária com umha importante trajetória, que orientou a sua comunicaçom à emancipaçom da mulher na perspetiva do marxismo.

Jean Salem, filósofo e professor universitário francês, ofereceu a sua visom sobre o vigência do marxismo, destacando ainda os contributos posteriores de Lenine como parte de um programa que o passar do tempo e crises como a atual só confirmam como ferramentas imprescindíveis para a derrota do capitalismo.

Porém, como cada ano, as comunicaçons das e dos oradores nom foi todo. As Jornadas contam também com a participaçom do público e assim foi também nesta ocasiom. Debates vivos e de utilidade para a formaçom coletiva e para a troca de ideias entre camaradas, companheiros e companheiras nom só do nosso partido, mas doutros coletivos do movimento popular galego presentes na sala.

As XVII Jornadas Independentistas Galegas fôrom clausuradas pouco antes das nove da noite, após umha série de intervençons como conclusons, realizadas por Silvestre Lacerda, Joan Teran, Nines Maestro e Jean Salem, e o agradecimento de Primeira Linha às quatro camaradas por terem participado nesta iniciativa dos comunistas galegos, com destaque a Jean Salem, quem realizou um grande esforço por viajar à Galiza, na qual estivo menos de 24 horas.

Um jantar e umha ceia de confraternizaçom completou umha jornada importante que, mais umha vez, confirmou as Jornadas Independentistas Galegas como importante iniciativa teórica para a construçom do movimento independentista, socialista e feminista galego com sólidos alicerces revolucionários marxistas.