Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Nacional, Notícias

Prossegue destruiçom de emprego de forma imparável

Sexta-feira, 25 Janeiro 2013

Os dados divulgados pola EPA sobre o desemprego do último trimestre de 2012 constatam a dramática situaçom que padece umha parte significativa da classe trabalhadora galega.

Na Comunidade Autónoma som mais de 277.400 o número de homens e mulheres que carecem de um posto de trabalho. Na Galiza a cifra aproxima-se a 300.000 trabalhadoras e trabalhadoras, mais de 21.5%, no que supom um dramático recorde.

A destruiçom de emprego atinge 241 pessoas diárias, 10 por hora. Entre outubro e dezembro de 2012 som perto de 22.000 o número de galegas e galegos que fôrom despedidos. O desemprego na CAG incrementou 136% desde 2008, ano no que a taxa oficial de desemprego se situava em 8,7%.

Som perto de 200.000 o número de trabalhadoras e trabalhadores galegos que perdérom o seu emprego entre 2008 e 2012.

As reformas laborais do PSOE e PP só provocam mais desemprego

Contrariamente às mentiras difundidas polo governo de Mariano Rajói e polo governinho de Feijó a reforma laboral só tem acelerado a destruiçom de emprego. As brutais receitas neoliberais seguidas polo PP, sob a direçom da troika, só provocam desemprego, miséria, precariedade e emigraçom.

As medidas de “auteridade e controlo do défice” só contribuem a agravar a crise estrutural do capitalismo golpeando constantemente nas condiçons laborais e sociais da imensa maioria social.

300 mil famílias carecem de salário

O aumento de fogares com todos os membros no desemprego passou de umha média de 67.000 em 2011 a 85.500 em 2012, o que supom um incremento de 26%. Só na CAG, a dia de hoje, há 92.000 famílias em que todos os membros ativos carecem de emprego, 12.000 mais que há três meses.

Som perto de 300.000 o número de famílias galegas que carecem de salário, tendo que recurrir a ajudas de familiares, caridade, subsídios de miséria, pensons dos maiores e a economia submersa, para poder sobreviver.

Desemprego juvenil

A situaçom do desemprego golpeia de forma brutal sobre o futuro da naçom galega. A taxa de desemprego juvenil está perto do 50%, dez pontos mais que há um ano. Som mais de 40.000 o número de jovens galegas e galegos, entre 16 e 25 anos, que desesperadamente procuram um posto de trabalho.

Umha significativa parte da juventude, basicamente a mais preparada e formada, está emigrando, no que supom um êxodo similar ao padecido por Galiza na década de sessenta e setenta do século passado.

Por umha greve geral de 48 horas

Perante esta dramática situaçom é essencial manter a mobilizaçom obreira e popular permanente e encadedada. O maciço seguimento da greve geral de 14 de novembro no conjunto do nosso País, paralisando a indústria, o transporte e o ensino, e com elevado seguimento no setor serviços,  constatou a existência de condiçons mais que suficientes para alargar a luita.

É necessário convocar umha greve geral de 48 horas a início da primavera, umha jornada de luita sociopolítica para forçar ao governo espanhol e autonómico do PP a alterar a sua folha de rota.

-->