Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Internacional, Notícias

Che, as tuas maos, embora mortas estám vivendo, porque apertam o gatilho combatente guerrilheiro

Terça-feira, 9 Outubro 2012

Hoje, 9 de outubro de há 45 anos, o comandante Che Guevara era assassinado vilmente por um esbirro do imperialismo ianque, segundo as ordens dadas pola CIA ao general boliviano René Barrientos. Foi no interior da modesta escola do povo boliviano de La Higuera, perto da cidade de Vallegrande, no departamento de Santa Cruz, que era abatido, após ter sido capturado ferido num desigual combate com os rangers bolivianos na “Quebrada del Yuro”.

Em 1977, a revista Paris Match entrevistou Mario Terán, o seu assassino, quem relatou assim os derradeiros instantes do Che Guevara:

“Duvidei 40 minutos antes de executar a ordem. Fum ver o coronel Pérez com a esperança de que tivesse sido anulada. Mas o coronel pujo-se furioso. Por isso fum. Esse foi o pior momento da minha vida. Quando cheguei, o Che estava sentado num banco. Ao ver-me dixo: «Você vem matar-me». Eu sentim-me coibido e baixei a cabeça sem responder. Entom perguntou-me: «Que dixérom os outros?». Respondim que nom dixeram nada e ele respondeu: «Eram uns valentes!». Eu nom me atrevim a disparar. Nesse momento vim o Che grande, muito grande, enorme. Os seus olhos brilhavam intensamente. Sentia que se botava por cima e quando me olhou fixamente, deu-me umha tontura. Pensei que com um movimento rápido o Che poderia tirar-me a arma. «Ponha-se sereno -dixo- e aponte bem! Vai matar um homem!». Entom dei um passo atrás, face o limiar da porta, fechei os olhos e disparei a primera rajada. O Che, com as pernas destroçadas, caiu ao chao, contorceu-se e começou a regar muito sangue. Eu recobrei o ánimo e disparei a segunda rajada, que o atingiu num braço, no ombro e no coraçom. Já estava morto”.

Hoje, queremos homenagear o teórico, o militante, o dirigente, o combatente comunista, mas nom como simples lembrança nostálgica e necrológica.

A vigência do seu legado segue mais viva e necessária que nunca. Ler es estudar o Che è imprescindível na hora de nos guiar no combate anticapitalista, na hora de construir movimento revolucionário, na hora de agir com determinaçom e coragem contra a atual ofensiva burguesa.

Che, o fogo da tua estela ilumina o caminho face a vitória.

Porque tal como recolhe a cançom Fam mil homens, do cantor compositor venezuelano Alí Primera,

As tuas maos seguem vivendo

dim povo, povo, povo

as tuas maos seguem vivendo

dim fogo, fogo, fogo

as tuas maos, embora mortas estám vivendo

porque apertam o gatilho

combatente guerrilheiro

de aquele enorme fusil

a vontade dos povos

As tuas maos seguem vivendo

dim fogo, fogo, fogo

as tuas maos buscam o teu corpo

dim povo, povo, povo

as tuas maos esta-as beijando o povo

as tuas maos, as tuas maos, Che

as tuas maos enchem de fé

enchem de fé na vitória

As tuas maos, as tuas maos Che

cantando di-lhes o povo

até sempre vencerei

as tuas maos

embora mortas estám luitando

porque as tuas maos

nom chas cortárom rogando

as tuas maos

embora mortas estám luitando

porque as tuas maos

nom chas cortárom rogando”.