Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Nacional, Notícias

Direçom submete de novo a CIG aos ritmos e necessidades de CCOO e UGT

Segunda-feira, 17 Setembro 2012

A direçom da CIG encenou um novo solavanco na linha sindical da CIG e anunciou o adiamento da greve geral proposta para o dia 26 de setembro. A assembleia de delgados e delegadas da central, que decorreu na passada semana em Compostela, serviu para encenar a tomada de umha decisom já adotada dias atrás pola executiva e o secretariado confederal e que ia supor o submetimento da CIG aos ritmos e necessidades do sindicalismo domesticado que praticam CCOO e UGT.

Como já acontecera na primavera passada, a CIG viu-se obrigada a dar marcha atrás no anúncio de umha iminente greve geral para contestar as medidas aprovadas polo Partido Popular. Naquela ocasiom, a brusca viragem da direçom da CIG tentou dissimular-se com umha jornada de luita na comarca de Trasancos de resultados bem questionáveis. Agora, às portas das Eleiçons autonómicas do próximo 21 de outubro, a direçom da CIG nem sequer se julga na necessidade de encenar qualquer movimento surpressa e reconhece, de forma surpreendentemente sincera, que nom convocarám greve algumha até que CCOO e UGT se convençam da sua necessidade.

Com esta decisom, a direçom da CIG culmina um novo e brusco giro na linha sindical que protagonizou nos últimos tempos. De manter umha saudável distáncia com as práticas do sindicalismo pactista de CCOO e UGT, a prática do sindicalismo nacional e de classe fica submetida ao estado de ánimo das centrais espanholas. Em apenas uns meses, a direçom da CIG passou de defender mobilizaçons próprias e diferenciadas das organizaçons cúmplices da reforma das pensons e do retrocesso salarial na greve geral do 29 de março a tornar a CIG dependente dos suicidas ritmos impostos por CCOO e UGT no Estado espanhol.