Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Nacional, Notícias

29 de março: NÓS-Unidade Popular e BRIGA chamam a participar na greve geral

Quarta-feira, 28 Março 2012

Nas próximas horas a classe obreira galega está chamada a terecira greve geral desde que em setembro de 2010 tomara as ruas para contestar a reforma laboral aprovada polo PSOE.  Tanto NÓS-Unidade Popular como a organizaçom juvenil BRIGA já manifestarom a sua adessom à convocatória e chamam a secundar maciçamente a jornada de greve geral.

29m: a luita obreira e popular é o único caminho

O próximo 29 de março o povo trabalhador galego está convocado polas organizaçons sindicais a secundar umha nova greve geral, a terceira destre setembro de 2010, contra esta nova reforma laboral feita a medida da patronal.

O nosso país tem umha oportunidade histórica para dar na rua umha resposta massiva e contundente para parar este novo ataque do capitalismo espanhol.

O 29 de março deve ser umha grande vitória da classe trabalhadora galega e o início dumha estratégia de luita e mobilizaçom de massas. Chegou a hora da ofensiva, de radicalizar as luitas, de deixar atrás a desmobilizaçom e a passividade social para podermos evitar que o grande capital continue a acumular ano após ano mais lucros à custa do emprobrecimento dos sectores populares.

NÓS-Unidade Popular chama a participar ativamente na jornada de luita e fai um apelo às operárias e operários, ao conjunto do povo trabalhador, para assistir às mobilizaçons convocadas polo sindicalismo nacional e de classe.

Tod@s à Greve Geral!

A luita obreira e popular é o único caminho!

Já chega a greve geral. A juventude obreira em pé

Desde setembro de 2010, os sindicatos com capacidade de convocatória completam este março três greves gerais que, com franqueza, parecem nom ter sido suficientes.

Ao longo destes 16meses, a luita obreira nom se tem cingido no entanto às três principais jornadas de paro. Som numerosas as mobilizaçons, concentraçons e atividades de protesto havidas para denunciar e enfrentar a grave ofensiva do capital contra o povo trabalhador. A nossa organizaçom forma parte deste “dispositivo social” de contestaçom. Temos editado posicionamentos, publicado análises, e tomado as ruas com mensagens de chamamento a revelar-se hoje, aqui, e agora.

Nesta data inicialmente promovida pola CIG, BRIGA continuará a estar aí. Nom o faremos por acaso. Faremo-lo porque dedicamos a nossa atividade política, com greves ou sem elas, a mobilizar consciências e unir braços no imenso labor de frear as medidas patronais implementadas polos governos burgueses, monicreques do grande capital.

Imos caminho de cargar com a primeira geraçom desde a última ditadura militar espanhola em retroceder nos direitos sociolaborais herdados dos e das nossas maiores. E este fracasso social deve ser revertido. Ademais, as jovens galegas, mais eventuais, pior pagadas, mais exploradas e maltratadas, acumulam um peso insuportável. E esta contradiçom deve ser resolvida.

Esta soma de aparentes fracassos é na realidade um ponto de inflexom histórico. Um momento em que a acumulaçom de contradiçons se tem tornado tam insuportável que as leis da história obrigam a mudar o rumo. Mas… quem escreve estas leis? Quem vigia o seu cumprimento? Ninguém o vai fazer por nós. A juventude autoorganizada é a lei genuína, a garantia plena de que a transformaçom social é possível e urgente, e que na greve como no resto de dias, na escola, nas ruas, no trabalho ou na família, o melhor exemplo de dizer é fazer. Fazer reais os piores pesadelos dos capitalistas: espalhar a raiva da juventude e virar a atonia em maré vermelha.

Rebelar-se no presente, revelar o futuro!

Viva a luita obreira! Viva a greve geral!