Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Opiniom

Conversa da treta

Terça-feira, 6 Dezembro 2011

António Barata

É fatal como o destino. Sempre que os trabalhadores decidem fazer greve, principalmente se são gerais ou nos transportes, aparece um corrupio de parlapatões opinadores que, depois de debitarem a tal cassete que os certifica como democratas acima de qualquer suspeita – “a greve é um direito reconhecido constitucionalmente e salvaguardado pelas leis da República”, “os trabalhadores tem todo o direito de fazer greve, desde que não violem a legalidade”, bla-bla,bla – se insurgem contra a os grevistas, os piquetes de greve, as repartições fechadas, os transportes que não há, e por aí fora.

Com ares de grande sensatez e moderação, apontam o dedo à “intolerável” violação do direito dos que, querendo trabalhar ou furar as greves, o não possam fazer. Pior ainda é que os piquetes de greve tenham a ousadia “antidemocrática” de tentar convencer os seus colegas de trabalho a aderir à greve ou fazer cumprir a vontade da maioria, impedindo a saída de viaturas, mercadorias, etc.

Curiosamente este tipo de parlapatice vem precisamente daqueles que, fora das alturas em que há greves, nunca se lembram que o trabalho é um direito e não uma benesse concedida pelo patronato. Gentinha que faz por muito democraticamente ignorar a violação dos direitos dos que, querendo fazer greve, o não fazem porque os seus salários são tão miseráveis que não se podem dar ao luxo de perder um dia de salário, dos que são precários e sabem que se fizerem greve são despedidos, dos que estão no desemprego, dos que são obrigados a furar as greves devido à imposição de serviços mínimos, etc. E que dia a dia se esquecem do direito ao trabalho dos precários, dos desempregados, dos que auferem salários e pensões miseráveis e do facto de cerca de dois terços dos portugueses viverem com rendimentos inferiores aos 500 euros. Coisas que, no seu avisado entender, são despiciendas, demagógicas e populistas e não merecem que se perca tempo com elas.

Depois vem a outra grande questão (mas, frisam, sem que com isso queiram contestar o direito à greve): a da oportunidade e utilidade da greve. E vá-se lá saber-se porquê, todos eles concordam que as greves nunca são oportunas ( “a greve é para ser usada com parcimónia porque é a última forma de luta a que os trabalhadores devem recorrer”, “não tendo ainda sido esgotadas as outras formas de luta”, a greve só pode ter objectivos obscuros) e não mudam nada. Pior, a greve só serve para afundar ainda mais a economia e fazer com que as agências de rating baixem a cotação de Portugal. E assim, com estas “habilidades” para enganar tolos, tentam responsabilizar as vítimas pela sua desgraça.