Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Nacional, Notícias

Galiza à cabeça da destruiçom de emprego no Estado espanhol

Segunda-feira, 5 Dezembro 2011

O final de um novo mês trai de novo péssimas novas sobre a destruiçom de emprego no nosso país. Os dados do mês de novembro som especialmente negativos com um incremento percentual do desemprego do 4,7%, por cima do conjunto do Estado espanhol que ficou em um 1,37%, com um total de 11.274 trabalhadoras e trabalhadores que figuram como novos demandantes de emprego durante este último mês, com umha meia de 375 cada dia.

O território da Comunidade Autónoma colocou-se no mês de novembro à cabeça do aumento do desemprego no conjunto do Estado espanhol, com um 19% do incremento total. Também em números absolutos, é Galiza a que experimenta um maior incremento.

Em apenas uns meses os responsáveis da Junta passarom da incontida eufória por uns pírricos dados do descenso do numero de desempregad@s, adoptam agora um perfil baixo para evitar qualquer responsabilidade nesta dramática situaçom que sofre ou ameaça ao conjunto da classe trabalhadora galega.

Nem a reforma laboral aprovada polo PSOE serviu para parar a sangria da destruiçom do emprego porque o seu principal objectivo era abaratar o depedimento seguindo as directrizes marcadas pola patronal, nem o governo autonómico do Partido Popular tem o mais mínimo interesse em activar políticas efectivas para a criaçom de emprego. Em umha linha similar à adoptada polo PSOE desde o governo espanhol, a Junta da Galiza ensaiou as fórmulas selvagens de ajuste e corte do gasto social impostas polo grande capital.

Galiza, vítima das reformas e gestons de PSOE e PP, alcançou a cifra histórica de 253.416 trabalhadoras e trabalhadores desempregados e nom há dados que indiquem o final da queda.