Abrente

Ediçons digitais da publicaçom trimestral do nosso partido

Documentaçom

Textos e outros documentos políticos e informativos de interesse

Ligaçons

Sites recomendados de ámbito nacional e internacional

Opiniom

Artigos assinados sobre temas de actualidade galega e internacional

Video

Documentos audiovisuais disponíveis no nosso portal

Home » Notícias

Israel assassina manifestantes palestinian@s no Golám

Terça-feira, 7 Junho 2011

O último dos crimes cometidos polo Estado terrorista de Israel contra o povo palestiniano produziu-se ontem nos montes do Golám, território fronteiriço com a Síria e ocupado ilegalmente polo sionismo desde a Guerra dos Seis Dias (1967).

Vinte e três palestinian@s, que participavam numha marcha pacífica face a fronteira com Israel, fòrom assassinados polos soldados hebreus, que também ferírom outras 300 pessoas. Dentro da mesma jornada de luita, dúzias de palestinianos e palestinianas fòrom duramente reprimidos polo exército israelita num outro protesto, neste caso decorrido no posto de controlo de Qalandiya, entre as cidades de Ramala e Jerusalém.

Estes novos crimes contra o povo palestiniano e contra a Humanidade som o ponto e seguido na trajetória do Estado imperialista de Israel, apoiado polos Estados Unidos e a Uniom Europeia. Recentemente, mais em concreto o 15 de maio passado, mais 15 palestinianos e palestinianas eram assassinadas por soldados sionistas num protesto organzado para lembrar a Nakba (“o desastre”), a derrota palestiniana em 1948..

Para a ONU e o seu patético dirigente, Ban Ki-moon, esta açom criminosa de Israel só mereceu umha petiçom de “contençom” a ambos bandos. Nem a mais mínima crítica ou condena ao regime sionista polo novo assassinato de pessoas que se manifestavam pacificamente. Tampouco se produzírom as habituais condenas das “democracias” ocidentais, nem ameaças de sançons ou de umha intervençom militar em nome dos direitos humanos e da liberdade, como no caso da Líbia. Israel continua a ter o aval de Ocidente para massacrar o povo palestiniano impunemente.